Sorria (seção auto-ajuda)

Posted: segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009 by O Blog dos Poetas Vivos in Marcadores:
4


Seja Feliz!
_
_
_
_
_
Olá, querido leitor! Se você é do tipo que não acredita em coincidências, deve estar pensando: “nada acontece por acaso” Ou: “esse texto deve ter algum propósito”. Mas, se por outro lado você é do tipo que acredita em coincidências, a esta altura já terá se perguntado: “será feliz ou infeliz esta coincidência?”. Ah! Com alegria te digo: eis a mais feliz das coincidências, eis o mais nobre entre propósitos: esclarecer-te. Esclarecer tua alma acerca dos caminhos que nos conduzem à felicidade!
Sei que pode parecer difícil encontrar paz e felicidade nos dias de hoje, onde as guerras são cada vez mais freqüentes, onde a fome mata muito mais do que a morte poderia matar sozinha, onde meia dúzia de países sobrevive graças à miséria do resto do mundo e onde milhões de pessoas pagam vários dinheiros para ver a Madonna. Mas deixemos o pessimismo de lado, pois, a despeito das adversidades, tornar-se uma pessoa feliz pode ser tarefa muito simples, acredite. Isso mesmo, acredite! Não importa em que, mas o quanto. Jamais duvide. Em momento algum esteja disposto a mudar de opinião. Lembre-se que uma vida de dúvidas e incertezas é uma vida de infelicidades. Ora, se não quer a infelicidade, simplesmente deixe de procurá-la, ou seja, deixe de questionar o mundo ao seu redor. Pense menos e verá como o viver parecerá suportável.
Entretanto, não basta apenas livrarmo-nos das dúvidas. Para tornarmo-nos pessoas realmente felizes é necessário um otimismo desenfreado e na maioria das vezes constituído de incoerência e absurdo. Por exemplo: se estiver sem dinheiro, sorria! Lembre-se dos mendigos que não têm dinheiro nem comida. E, se o mendigo sem dinheiro e sem comida for você, sorria mais ainda! Lembre-se que há no mundo mendigos sem dinheiro, sem comida e sem as pernas. Mas se você for o mendigo que não tem dinheiro, comida ou pernas, sorria! Espelhe-se nos mendigos que não têm dinheiro, comida, perderam as pernas, mas são felizes mesmo assim, porque não perderam a esperança, não deixaram de acreditar em seus sonhos. Descubra a importância de traçar uma meta e viver o sonho de alcançá-la.
Sigamos, todos, o exemplo do cãozinho que tenta, incansavelmente, morder o próprio rabo e não consegue, mas sabe que é possível. – A esta altura o leitor pode estar pensando: “como realizar tal façanha se somos seres humanos e não dispomos de cauda?”. Ou então: “onde encontrar a ‘cauda adequada’ para morder?”. Ora, olhe ao seu redor! Essa vida proporciona a todos nós a “calda adequada” para cada momento de nossas vidas, do dia do nascimento ao dia da morte e vice-versa. Entretanto, pode surgir uma dúvida: “O que faríamos depois disso? Passaríamos o resto de nossa existência a mastigar o próprio rabo”. A resposta é NÃO! Todo mundo sabe que satisfação encontra-se no objetivo e não no objeto. O suposto sentimento de satisfação a ser alcançado através da conquista de certo objeto é efêmero. Logo sentiríamos a “dor da mordida”, e em pouco tempo morder o próprio rabo se tornaria algo sem graça e sem tempero. Começaríamos a nos perguntar: “por que razão as pessoas correm atrás do próprio rabo?” ou “onde se chega caminhando em círculos?”, enfim, acabaríamos por nos tornar descontentes e não é isso o que queremos.
Se queremos mesmo levar uma vida repleta de felicidade, devemos fazer o seguinte: ao acordar, agradecer por mais um dia de alegria e dizer “sou feliz por estar vivo. O amor é lindo como o mundo que me cerca e todo o ser humano é amável e gentil”. Deve-se repetir estas verdades três vezes ao dia, ao levantar para trabalhar, durante o intervalo para almoço e na hora de se deitar. Gravemos, em letras indeléveis, a frase: “sou contente, sou feliz”. Tornemo-nos seres iluminados. Compreendamos que quem nos rouba, o faz por merecer muito mais o que é nosso do que nós mesmos.

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.
  1. Do mau gosto da ilustração à gravidade do escrito, fica patente o cinismo e a malícia (a ironia como figura de linguagem passa longe, mas podemos falar em sinceridade) do autor incógnito e do texto escroto. É esse tipo de habilidade e competentência (acobertada e bem humorada) que nos faz rir quando deveríamos chorar (ui ui ui) Todos os espasmos são válidos? Seria cômico se não fosse trágico, não é mesmo Flávio?

    25 de Fevereiro de 2009 14:46


    Postado em Sorria (seção auto-ajuda)
    Excluir comentário Cancelar

  1. Emerson Leal says:

    Fala Prosperi, aqui é o Emerson, que comenta sempre lá no TomZé! Cara, vc escreve MUITO BEM! E ainda é fã de Chico e de FALCÃO! Manda mais coisas suas pra mim, cara, na moral! Pergunta: Vc escreve também letras de música? Digo, escrever sobre uma melodia pronta?

  1. Emerson Leal says:

    Sim, cara, claro: emersonleal@gmail.com, msn: meme_leal@hotmail.com. Vc é de São Paulo?

expresse algo!